Missionário em Sucumbíos - Equador...

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Lectio Divina de João 10, 27-30: Seguindo o Pastor - 4º Domingo de Páscoa

Por: Patrick Silva

As minhas ovelhas escutam a minha voz, eu as conheço e elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna. Por isso, elas nunca se perderão e ninguém vai arrancá-las da minha mão. Meu Pai, que me deu estas ovelhas, é maior do que todos, e ninguém pode arrancá-las da mão do Pai. Eu e o Pai somos um”. (João 10, 27-30)

1. LECTIO – leitura
O evangelho proposto esta semana é curto, são apenas 4 versículos tirados do décimo do Evangelho, que é dedicado a uma catequese sobre o Bom Pastor. O evangelista utiliza esta imagem para apresentar a missão de Jesus: a obra do “Messias” consiste em conduzir a pessoa às pastagens verdejantes e às fontes cristalinas de onde brota a vida em plenitude.

A imagem do Bom Pastor não foi inventada pelo autor deste evangelho, mas já era conhecida no mundo literário do seu tempo. No texto de Ezequiel 34 se encontra uma possível chave para compreender a metáfora do pastor e do rebanho. Falando aos exilados na Babilônia, Ezequiel constata que os líderes de Israel foram, ao longo da história, falsos pastores que conduziram o Povo por caminhos de morte e de desgraça; mas afirma Ezequiel, o próprio Deus vai, agora, assumir a condução do seu Povo. Ele colocará à frente do seu Povo um Bom Pastor, que o conduzirá à vida.

O texto acentua a relação estabelecida entre o Pastor (Cristo) e as ovelhas (os seus discípulos). A missão desse Pastor é dar vida às ovelhas. Sao muitos os exemplos ao longo do evangelho de João, onde se constata que a ação de Jesus é uma recriação e revivificação da pessoa, no sentido de fazer nascer a Pessoa Nova (veja Jo 3,3.5-6), a pessoa da vida em plenitude, a pessoa que, seguindo Jesus, se torna “filho de Deus” (veja Jo 1,12) e que é capaz de oferecer a vida por amor. Os que aceitam a proposta de vida que Jesus lhes faz não se perderão nunca (“nunca hão-de perecer e ninguém as tirará da minha mão” Jo 10,28), pois a qualidade de vida que Jesus lhes comunica supera a própria morte (veja Jo 3,16;8,51). O próprio Jesus está disposto a defender os seus até dar a própria vida por eles (veja Jo 10,11), a fim de que nada nem ninguém (os dirigentes, os que estão interessados em perpetuar mecanismos de egoísmo, de injustiça, de escravidão) possa privar os discípulos dessa vida plena. Os discípulos), por sua vez, têm de escutar a voz do Pastor e segui-l’O (veja Jo 10,27). Isto significa que fazer parte do rebanho de Jesus é aderir a Ele, escutar as suas propostas, comprometer-se com Ele e, como Ele, entregar-se sem reservas numa vida de amor e de doação ao Pai e à humanidade. O texto conclui com uma referência à identificação plena entre o projeto do Pai e o projeto de Jesus: para ambos, o objetivo é fazer nascer uma nova humanidade. Em Jesus está presente e manifesta-se o plano salvador do Pai de dar vida eterna (vida plena) à pessoa. Isto é, através da ação de Jesus, a obra criadora de Deus atinge o seu ponto culminante.

Nesta época de incertezas, não podemos ter promessa mais forte do que aquela que Jesus oferece a quem o seguir: ninguém e nada pode nos separar de Deus. Aprofundado mais tarde na carta aos Romanos 8:38-39. Nada nos pode nos separar do amor de Deus, que alcançamos em Jesus Cristo. Esta promessa não é somente para esta vida, mas se estende para além da nossa morte para a eternidade.

Na nossa cultura urbana, a imagem do Pastor é uma parábola de outros tempos, que pouco diz à nossa sensibilidade; em contrapartida, conhecemos bem a figura do líder, do presidente, do chefe: não raras vezes, é alguém que se impõe, que manipula, que arrasta, que exige... Mas o Evangelho que nos é proposto convida-nos a descobrir a figura bíblica do Pastor: uma figura que evoca doação, simplicidade, serviço, dedicação total, amor gratuito. É alguém que é capaz de dar a própria vida para defender das garras das feras as ovelhas que lhe foram confiadas.

2. MEDITATIO – meditação
+ Nesses versículos Jesus cita várias vantagens de ser uma das suas ovelhas. Pense sobre o que cada um significa para você.
+ Como cristãos acreditamos que Deus sabe tudo, mas às vezes atuamos e oramos como se não fosse assim. No versículo 27 Jesus nos lembra que ele conhece cada uma de suas ovelhas individualmente. Você acha tal tranqüilizante ou “desconfortável”?
+ “As minhas ovelhas escutam a minha voz, eu as conheço e elas me seguem”. Como está o seu “escutar” de Deus?
+ Como distinguimos a “voz” de Jesus, nosso Pastor, de outros apelos, de propostas enganadoras que não conduzem à vida plena?
+ Quem é o seu bom pastor?

3. ORATIO – oração
A imagem do Pastor é muito sugestiva, o que isso desperta em você? Traga esses sentimentos para a sua oração e, no seu silêncio, deixe que Deus se mostre como o seu Bom Pastor.

Reze com o Salmo 100 e use-o para dar graças a Deus.

4. CONTEMPLATIO – contemplação
Em sua contemplação, sinta-se acompanhado por este bom Pastor preocupado com o seu bem, com sua fidelidade e experimente a alegria desta companhia.

5. MISSIO - missão
“A caridade é, de fato, o verdadeiro distintivo dos discípulos de Cristo”. José Allamano

Disponível mensalmente em www.imconsolata.org.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário